interracial dating
lesbian dating sites
free dating sites uk
interracial dating
FacebookYouTubeTwitter

Cultura

Versão para impressão
PDF

Semana da Cultura

Semana da Cultura da AAUTAD decorre de 15 a 22 de Março com várias atividades espalhadas pela cidade de Vila Real! Confere todo o cartaz.

Versão para impressão
PDF

Vibratuna

Corria o ano de 2006, quando três estudantes da licenciatura de Gestão da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, imersas pelo espírito académico e trovadoresco que envolve a cidade de Vila Real, desde os tempos de El Rei D. Dinis, se decidiram a formar uma tuna. A inicialmente Gestuna, por ser apenas de alunas do curso de Gestão, alargou os seus horizontes a todas as estudantes dos vários cursos da Academia. Surgia então, a Vibratuna – Tuna Feminina da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, a 15 de Março de 2007.

Munidas de um cavaquinho, uma viola e um acordeão, uniram-se, cheias de garra e alegria, para enfrentar o desdiz de que “as tunas femininas da Bila morrem à nascença”. Estava o sonho lançado, e em 2007 fizeram a sua divulgação a pretexto da Semana do Caloiro. Após um aumento do número de elementos, a Vibratuna fez a sua primeira actuação a 29 de Novembro de 2007, no Bar Académico de Vila Real. A esta, seguiram-se outras por Borba da Montanha e Vila Meã e pela região transmontana. Com o tempo mais elementos surgiam, mais actuações e mais familiaridade, com um denominador comum - a música.

Hoje a Vibratuna, cujo nome surgiu um pouco por brincadeira, tem já o seu sonho firme. Envolta em simbolismo, a Vibratuna tem como mascote uma “rata”, símbolo de fecundidade e dinamismo e, representa-se pelas cores laranja e azul. O laranja por ser uma cor quente, voltada para a harmonia, força, solidez e maturidade, e o azul por sua vez, a cor fria associada à sabedoria, tranquilidade e segurança. Na sua estrutura, a Vibratuna possui uma hierarquia, regida de forma crescente em, Dentuças, Roedoras, Ratunas e Velhotas.

Estas vozes femininas, acompanhadas pelo vibrar de instrumentos musicais, a entoar melodias numa cidade, até então dominada por tunas masculinas, foi-se estabelecendo ao longo do tempo, espalhando o gosto pela música e rendendo quem as ouvia, às tradições académicas. Em 2008, lançaram o seu primeiro original, intitulado “Sem Ti”. Seguiu-se “Canção d’Embalar”, “Ale’UTAD”, “Ninguém”, “Areia”, o instrumental “Revolução” e alguns outros temas. Estes, além de serem uma forte componente das actuações, são uma verdadeira prova do esforço, empenho e procura pela excelência musical.

Apesar da sua tenra idade a Vibratuna já marcou presença em vários festivais de tunas femininas nacionais, trazendo, para a sua cidade, alguns prémios, como o de Melhor Instrumental, Melhor Original, Melhor Porta-Estandarte, Melhor Pandeireta, Melhor Pasacalles, Tuna Mais Tuna entre outros. Em 2011 organizou o seu festival denominado I Clave – Real Festival de Tunas Femininas, dando à cidade de Vila Real o seu primeiro Festival de Tunas Femininas e prometendo muitos outros em futuras edições.

A cada ano que passa, a Vibratuna procura manter o seu espírito divertido e trovadoresco. Inovando e divulgando as suas melodias, tanto em Vila Real, como por tantos outros locais por onde vai passando, sempre renovando em cada lugar as velhas memórias das antigas tradições académicas e transmontanas.

 

“Hei-de ser velha velhinha e relembrar com saudade

os momentos que vivi nesta Universidade”

 

Versão para impressão
PDF

Imperialis

A história da Imperialis Serenatum Tunix começa como muitas outras, como acto de rebeldia, em que alguns membros sentenciaram abandonar a Tuna existente na altura, a Tuna Académica, e decidiram criar a sua própria tuna, numa mesa da cervejaria Metropolis.

Um grupo de serenatas com temas próprios, em que cada um dá um pouco de si e que foi crescendo ao longo dos últimos 15 anos, com altos e baixos, mas em que a união e a amizade continuam a ser um lema de base.

Versão para impressão
PDF

Imperialis Serenatum Tunix

A Imperialis Serenatum Tunix nasceu como grupo de serenatas a 28 de Maio de 1995, numa mesa da cervejaria Metropolis, em Vila Real. Aí se compuseram as primeiras melodias desta tuna, que ainda hoje são cantadas com a força e vivacidade dos primeiros tempos, apesar de tantos anos já se terem passado.

Rezam as crónicas da época que a Imperialis foi fundada por cinco elementos mas "...muita outra gente (,,,) vinda de todas as partes deste reyno (...) se lhes juntou..." (in Relaçom das Cousas de Vila Real, pp. 443, Tomo XVI, 1...95). Assim a Imperialis cresceu, muito mais do que se poderia imaginar na altura da sua fundação.

Versão para impressão
PDF

"O Renascer"

A Tuna Académica da UTAD (TAUTAD) organiza, já este fim-de-semana, o seu 1º Encontro de Tunas na Aula Magna da UTAD.

Para além da TAUTAD, estarão também presentes a VibraTuna, Transmontuna e a Imperialis Serenatum Tunix, da UTAD e ainda a Tuna Estudantina de Braga e a Tuna Feminina do ISCAP.